Treinador do São Paulo F.C./Barueri pondera que as orientações da OMS devem ser acatadas

Na manhã desta quinta-feira, em reunião promovida por videoconferência, os participantes da Superliga feminina decidiram, por meio de uma votação, que a competição foi finalizada em razão da pandemia provocada pelo novo coronavírus (covid-19). Seis clubes (incluindo o São Paulo F.C./Barueri) e a comissão de atletas) votaram pelo encerramento do campeonato, e outros dois representantes de clubes optaram pela continuidade.

Não haverá um campeão e a classificação final respeita o ordenamento refletido na tabela computada após a disputa da derradeira rodada da fase classificatória, encerrada no último dia 10. Por conseguinte, o Tricolor concluiu sua participação na edição 2019/20 da competição na sexta posição, com 11 vitórias e igual número de derrotas.

O treinador José Roberto Guimarães avalia que predominou o bom senso. “Diante do quadro que se apresenta, com muita incerteza e insegurança no que diz respeito à saúde, acredito que a decisão tomada foi a melhor possível. É um momento difícil e complicado. O melhor que temos a fazer é acatar as orientações da Organização Mundial de Saúde, e essa entidade é muito clara ao determinar que todos os que puderem devem se recolher em seus lares”.

Assim que o surto for debelado e a OMS sinalizar que as pessoas poderão voltar a se reunir ou se aglomerar sem prejuízo à saúde, a bola do vôlei voltará a subir, segundo o entendimento do treinador. “A saúde deve estar em primeiro lugar sempre. É o momento de nos preservarmos. Vamos aguardar”, conclui.

São Paulo FC/Barueri
Rubens Chiri/São Paulo FC.net